Corte Imperial
10 de dezembro de 2019
Rimado de palacio
21 de dezembro de 2019

Tratado contra las hadas de Alfonso de Valladolid

 


Verbete

ALFONSO DE VALLADOLID. Tratado contra las hadas. Espanha: finais do século XIII início do século XIV.
 
O breve tratado “en cómmo dizen que non ay fadas nin ventura nin ora mala" nomeado de “Contra las hadas” por Walter Mettmann, aponta a contrariedade ao que se entendeu como augúrio ou, de maneira mais abrangente, fatalismo, significados mais amplos da palavra fada ou hada, que também foi utilizada para designar a figura mitológica que revelava ou criava o destino. O tratado está conservado em dois manuscritos escorialenses: o h.III.3, fs. 197r-205r, e o P.III.21, fs. 35r-38r. Há, ainda, uma cópia da obra na Biblioteca Nacional de Madrid, o Ms. 9302, f. 214v.

A autoria do tratado, também referenciado como "De las fadas et ventura", foi atribuída, por diversos estudiosos, a São Pedro Pascual. É o que afirmou, por exemplo, Pedro Armengol Valenzuela nas Obras publicadas do santo em 1905. Do mesmo modo, nomes como os de Nicolás Antonio e Amador de los Rios, creditaram a obra ao santo bispo de Jaén, que foi capturado e mantido em cativeiro por muçulmanos em Granada e cuja existência é questionada atualmente. 1 Por outro lado, a tese que indica o Mestre Afonso de Burgos (Alfonso de Valladolid) como autor do tratado contra as fadas foi propagada por pesquisadores como Menéndez Pidal 2 e Fritz Yitzhak, com base no critério simplista da falta de contiguidade entre o Tratado contra las hadas e a Glosa del Pater Noster de Pedro Pascual, e nas coincidências do primeiro texto com o Libro de las tres creencias, de Afonso de Valladolid. A referência da Real Biblioteca del Monasterio de el Escorial sobre o “ Libro de las tres creencias y Tratado contra las hadas” (ms.h - III – 3) aponta justamente que o judeu converso, conhecido anteriormente como Rabí Abner ou Amer de Burgos, escreveu o tratado entre o final do século XIII e início do século XIV, quando era sacristão da Igreja Colegiada de Valladolid.

No entanto, se de um lado a autoria de Pedro Pascual foi fortemente contestada, de outro, a de Afonso de Valladolid também foi posta em questão. Um ponto desfavorável a Valladolid seria a função mais técnica do Fadas, discrepante com seus outros escritos que recorreram ao Talmud e ao Midrash, bem como aos filósofos ou historiadores hebreus. Essas ausências e a redação em romance, provavelmente, serviu a auditórios e a leitores com formação doutrinal inferior. Além disso, o Fadas é um tratado convencionalmente antideterminista, e outras obras de Valladolid, como o Libro del Zelo de Dios, defendem a predestinação, entendida como determinismo astrológico, ou seja, tratam da onisciência divina e do livre arbítrio, mas salientam o valor de uma disciplina que podia fazer prognósticos como a astrologia e que sustentava o pensamento judeu do século XIV. Fadas, entretanto, parece dirigir-se fundamentalmente a cristãos em busca de instrução básica nas verdades de sua religião,3 feito para consumo externo e não para o questionamento ou aprimoramento pessoal do autor.

Ryan Spziech 4 dissertou com afinco sobre a controvérsia da autoria dessa obra, recorrendo a Carpenter como defensor da escrita de Afonso de Valladolid e a Mettmann como detrator dessa atribuição, passando igualmente por Sainz de la Maza, que reforça a dificuldade em convergir para uma das teses. 5 Afinal, conclui que a rejeição da atribuição do trabalho a Afonso para o MS 9302 da Biblioteca Nacional de Madri (Libro de las tres creencias e Libro declarante) e consequentemente para o Tratado contra las Hadas é apressada, e que, a menos que se revelem novos manuscritos, não há evidências suficientes para aceitar com certeza a atribuição a Afonso ou descartá-la imediatamente. Um aspecto interessante e que suplanta a questão da autoria é aquele destacado por Carlos Sainz de la Maza: a propagação, sobretudo, do pensamento antijudaico da época. Em seus apontamentos sobre a edição da obra, o estudioso chama a atenção para a existência, na parte final do tratado contra as fadas, de uma mudança radical na orientação do texto. Em sua opinião, essa virada repentina parece “o resultado de uma intervenção que buscava converter o tratado original em um escrito antijudaico ”; 6 assim, não o considera um escrito doutrinal, ou um meio de ensinar uma verdade do dogma cristão, mas sim uma forma de refutação da crença no determinismo,7 tendo em conta a crença dos judeus nas influências dos astros no porvir através do dia ou do horário do nascimento de cada pessoa.

De fato, diversos religiosos da Península Ibérica preocuparam-se, no século XIII, com a questão da relevância do livre-arbítrio para o cristão e, no final desse século, o Tratado contra las hadas propaga justamente a importância desse preceito como fundamento da ideia do homem como a melhor das criaturas, a mais semelhante a Deus:

Se assim fosse como os sábios mentirosos dizem, que o homem não tem em si poder nem arbítrio de fazer bem ou mal, davam a entender os ditos sábios que, de todas as criaturas que Deus criou, não havia criatura mais diminuída que o homem [...]. E Deus mesmo não quis ter poder sobre o homem, para lhe fazer por força ser bom ou mau, pois quanto menos quisesse nem desse poder a nenhum planeta, nem prece, nem signo, nem fada, nem nenhuma coisa das sobreditas, quem teria poder ou senhorio sobre o homem? 8

Essa enérgica defesa do potencial do livre-arbítrio vem reafirmar a responsabilidade humana perante as próprias ações, de forma que o senhorio sobre o homem viria dele próprio, do seu desejo de evitar os pecados, ou melhor, de sua escolha por uma vida virtuosa, avessa aos vícios e na qual as interpretações decorrentes das artes supersticiosas não teriam impacto. O tratado portanto, expõe uma controvérsia sobre a existência de “fadas e ventura e oras minguadas e signos e planetas” que poderiam determinar as vidas dos homens, para mostrar, justamente, a falsidade dessas crenças, pelas quais “o diabo traz escondidos muitos anzóis com que pesca as gentes do mundo e as leva ao inferno”.9 Portanto, dado que o homem tinha a capacidade de escolher entre o bem e o mal, seu desafio era honrar seu compromisso de agir sempre de acordo com certos preceitos morais diante de qualquer situação que se apresentasse, reagindo com resignação quando punido e com gratidão quando agraciado, sem procurar escusas em causas secundárias.

Referências

AMADOR DE LOS RIOS, José. Historia crítica de la literatura española. Madrid: [s.n.], Imp. de José Rodriguez, 1861-1865. v. 4.

ARMENGOL VALENZUELA, Pedro. Obras de S. Pedro Pascual, mártir, obispo de Jaen y religioso de La Merced: en su lengua original. Universidade da Califórnia, 1905.

CARPENTER. Dwayne E. Text and concordance of the Tratado del alborayque, Biblioteca Nacional de Madrid MS. 17567. Madison: Hispanic Seminary of Medieval Studies, 1993.

MÁRQUEZ GUERRERO, María. Los conceptos de análisis del discurso aplicados a un texto histórico. El tratado Contra Hadas del siglo XIV. Cahiers d'études hispaniques médiévales. n. 30 p. 321-347, 2007.

MENÉNDEZ PIDAL, Ramón. Sobre la bibliografía de San Pedro Pascual. Bulletin Hispanique 4, p. 297-304, 1902.

METTMANN, Walter. La littérature didactique en prose. In: La littérature dans la Péninsule Ibérique aux XIVe. et XVe. síécles, Grundriss der romanischen Litteratur des Mittelalters. Heidelberg: Karl Winter, L2, Fasc.7, p. 15-120, 1983.

METTMANN, Walter. “El libro declarante”, una obra falsamente atribuida a Alfonso de Valladolid. In: PEIRA, P. Homenaje a Alonso Zamora Vicente. Madrid: 1988-1996, 3, p. 71-76. 5v.

RIERA I SANS, J. La doble falsificació de la portadella d'un incunable (Haim 12433). Revista de Libreria Antiquaria, 10, 5-17, esp. 5-8, 1985.

SAINZ DE LA MAZA, Carlos F. Apuntes para la edición del tratado Contra las hadas atribuido a Alfonso de Valladolid (Abner de Burgos). Incipit, v. 10, 1990.

SAINZ DE LA MAZA, Carlos F. La reescritura de obras de polémica antijudía. El “Libro de las tres creencias” y unos “Sermones sorianos”. Cahiers d’Études Hispanisc Médiévales, 29, p. 156, 2006.

SAINZ DE LA MAZA, Carlos F. Alfonso de Valladolid: edición y estudio del manuscrito “Lat. 6423” de la Biblioteca Apostólica Vaticana. Madrid: Ed. Universidad Complutense, 1990.

SPZIECH, Ryan. Entradas da Enciclopédia sobre “Alfonso de Valladolid / Abner de Burgos”. In THOMAS, David; MALLETT, Alex. Christian-Muslim Relations: A History Bibliographical, IV: 1200-1350. Leiden: Brill, 2012. p. 955-76.

Notas

1 Cf. RIERA I SANS, J. La doble falsificació de la portadella d'un incunable (Haim 12433). Revista de Libreria Antiquaria, 10, 1985, 5-17, esp. 5-8.

2 MENÉNDEZ PIDAL, Ramón. Sobre la bibliografía de San Pedro Pascual. Bulletin Hispanique 4, 1902, p. 297-304.

3 SAINZ DE LA MAZA, Carlos F. Apuntes para la edición del tratado Contra las hadas atribuido a Alfonso de Valladolid (Abner de Burgos), 1990. Incipit, v. 10, 1990, p. 113-119.

4 SPZIECH, Ryan. Entradas da Enciclopédia sobre "Alfonso de Valladolid / Abner de Burgos". In THOMAS, David; MALLETT, Alex. Christian-Muslim Relations: A History Bibliographical, IV: 1200-1350. Leiden: Brill, 2012. p. 955-76.

5 SAINZ DE LA MAZA, Carlos F. La reescritura de obras de polémica antijudía. El “Libro de las tres creencias” y unos “Sermones sorianos”. Cahiers d’Études Hispanisc Médiévales, 29, 2006 p. 156.

6 SAINZ DE LA MAZA, Carlos F. Alfonso de Valladolid: edición y estudio del manuscrito “Lat. 6423” de la Biblioteca Apostólica Vaticana. Madrid: Ed. Universidad Complutense, 1990.

7 MÁRQUEZ GUERRERO, María. Los conceptos de análisis del discurso aplicados a un texto histórico. El tratado Contra Hadas del siglo XIV. Cahiers d'études hispaniques médiévales. n. 30, 2007. p. 321-347.

8 Códice h-iii-3 do Escorial.

9 Ibid.
 
Palavras-chave: Determinismo; livre-arbítrio; astrologia; crenças; escritos antijudaicos.
Simone Ferreira Gomes de Almeida

Bolsista de TT - FAPESP

Grupo J.P. O ensino da fé cristã na Península Ibérica (sécs. XIV e XV)
 
 

Edições modernas

Em breve

TEODORO, Leandro Alves. Guias dos costumes cristãos castelhanos. O Espejo del alma e outros opúsculos pastorais dos séculos XIII, XIV e XV, 2020.
 
 

Trecho traduzido e modernizado

Transcrição

** Transcrição cedida por Leandro Alves Teodoro que publicará a obra traduzida na íntegra em: Guias dos costumes cristãos da Coroa de Castela. O Espejo del alma e outros opúsculos pastorais. Uma antologia dos séculos XIII, XIV e XV.

/197r/Agora sabemos e esquadrinhamos, com o poder e virtude de Deus Pai, Filho e Espírito Santo, quais são as fadas, os signos e os planetas, e de onde vêm o bem e o mal dos homens.

Existem sábios que dizem que todo o bem ou mal que os homens passam neste mundo já lhes é profetizado, ordenado e julgado por Deus a cada um; isto é, são profetizadas todas aquelas coisas boas e más pelas quais os homens passam. E existem outros sábios que dizem que todo o mal que o homem passa vem por virtude do signo, do planeta, do dia ou da noite em que foram engendrados. E existem outros que dizem que é por virtude da hora em que nasceram; e outros dizem que são fadas que fadam aos homens e às mulheres quando nascem. E agora prestem atenção os que entendimento tendes, pois pela razão entenderdes qual foi o sábio que o disse, e verdes pela obra qual foi o mestre que o fez. E como dizem os sábios mencionados, eles dizem que eles veem pela virtude das coisas acima ditas; dizem que eles veem aquele que há de ser mau e bom, rico ou pobre, que há de viver muito ou pouco, aquele que há de fazer boas ou más obras e aquele que há de ser salvo ou perdido. E bem de pouca e vã sabedoria /197v/ são tais sábios como estes que fazem as gentes crer nesta crença.
 
Autor: Alfonso de Valladolid (?).

Nome da obra: Libro de las tres creencias y Tratado contra las hadas.

Data: finais do século XIII início do século XIV.

Local: Biblioteca do Conde-Duque de Olivares.

Imagens: manuscrito h - III - 3 da “Real Biblioteca del Monasterio de el Escorial”.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *