O ensino da fé cristã na Península Ibérica
(séculos XIV, XV e XVI)

Buscar por

50 de 50 documento(s) encontrado(s)


Tractado de la divinança
Simone Ferreira Gomes de Almeida

O rei D. João II de Castela ordenou que o frei Lope de Barrientos, preceptor de seu filho D. Henrique IV , compusesse um tratado sobre o que devia ser conceituado como magia.

Ver
Tratado contra las hadas de Alfonso de Valladolid
Simone Ferreira Gomes de Almeida

O breve tratado “en cómmo dizen que non ay fadas nin ventura nin ora mala" nomeado de “Contra las hadas” por Walter Mettmann, aponta a contrariedade ao que se entendeu como augúrio ou, de maneira mais abrangente, fatalismo, significados mais amplos da palavra fada ou hada, que também foi utilizada para designar a figura mitológica que revelava ou criava o destino

Ver
Tratado de Penitencia de Juan Martínez de Almazán
Pablo Martín Prieto

De Juan Martínez de Almazán – segundo José María Soto Rábanos, que se deteve, principalmente, em estudar sua obra em nosso tempo – é pouco o que se sabe: que sua vida decorreu entre as últimas décadas do século XIV e as primeiras do XV, que foi um clérigo natural da diocese de Siguença e que estudou artes liberais e Direito canônico na universidade de Salamanca; com efeito, no prôemio do tratado que nos ocupa ele mesmo se descreveu como “licenciado em artes e bacharel em canônes”

Ver
Tratado de Predestinación y libre albedrío
Francisco José Díaz Marcilla

Este Tratado - o nome que lhe é dado nos manuscritos em que a obra foi preservada - parece ter sido escrito por Gonzalo Morante (de la Ventura, segundo um dos manuscritos), um bacharel em Teologia, do qual tem sido tão infrutífera a busca por dados biográficos, que grande parte dos pesquisadores acreditam que ele nunca existiu (MARCILLA, 2015, p

Ver
Tratado dos Sacramentos da Ley Antiga e Nova
Américo Venâncio Lopes Machado Filho

O Tratado dos Sacramentos da Ley Antiga e, de 1399, é um manuscrito originalmente pertencente à Livraria de Santa Maria de Alcobaça, maior biblioteca da história medieval de Portugal.

Ver
Tratado en defensa de virtuosas mujeres de Diego de Valera
Marcelo Pereira Lima

O Tratado en defensa de virtuosas mujeres (TDMV) é uma obra laudatória escrita por Diego de Valera no século XV. Valera elaborou diversas obras poético-literárias, cronísticas, genealógicas, filosófico-panegíricas, doutrinárias, porém o TDMV foi o texto mais diretamente voltado para enaltecer as virtudes das mulheres. Dedicado à rainha de Castela e Leão, Dona Maria, é conhecido através de 5 manuscritos incluídos em coletâneas de textos de procedências distintas, entre códices facsimilares ou miscelâneas. Três deles encontram-se na Biblioteca Nacional de España, podem ser acessados na Biblioteca Digital Hispánica (MSS/134I, ff. Ir-14v; MSS/12672, ff. 94r-117r, MSS/9985, ff. 52r-64r), e são respectivamente conhecidos como M1, M2 e M3; o outro está na Real Biblioteca del Monasterio de San Lorenzo de El Escorial, conhecido como E, localizado no códice N-I-13 (ff. 79r-83v) e, fora da Espanha, o N 82705, (ff. , lr- 17r) está custodiado pela Hispanic Society of America em Nova Iorque. Embora as datas dos códices variem entre os séculos XV e XVI, sendo motivo de debates, costuma-se situar o Tratado por volta de 1444.

Ver
Tratado provechoso
Thiago Henrique Alvarado

O Tratado provechoso que demuestra como en el vestir y calçar comúnmente se cometen muchos pecados, y aún tanbién en el comer y en el beber foi escrito, em 1477, pelo jeronimita Hernando de Talavera (1428-1507), enquanto ainda era prior do monastério de Santa Maria de Prado, extramuros da vila de Valladolid, e impresso, mais tarde, em 1496, com algumas alterações, na Breve y muy provechosa doctrina de lo que debe saber todo christiano con otros tractados muy provechosos, todos de ria do primeiro arcebispo de Granada e expressivos do seu intento pastoral

Ver
Vergel de consolação da alma ou Viridario
Hugo O. Bizzarri

O Vergel de consolação da alma ou Viridario, tradução da obra Viridarium consolationis, atribuída ao monge dominicano Jacobo de Benavente, foi um dos manuais d’auctoritates mais difundidos na Europa medieval e, em particular na Espanha

Ver
Vida de Santa Eufrosina
Ana Maria e Silva Machado

Tradução de uma hagiografia originariamente escrita em grego, no século V, com um acrescento significativo antes do século X, altura em que foi traduzida para latim, passando a ser conhecida no Ocidente

Ver
Vida de Santa Maria Egipcíaca
Ana Maria e Silva Machado

Narrativa hagiográfica grega, atribuída a Sofrónio, bispo de Jerusalém (m. 638). Foi posteriormente traduzida para latim e, a partir daí, para as línguas europeias.

Ver