Paulo Alexandre Cardoso Pereira

Horto do Esposo
16 de setembro de 2019
Vida de Santa Eufrosina
18 de setembro de 2019

Paulo Alexandre Cardoso Pereira

 

Breve Currículo

Paulo Pereira
Paulo Alexandre Cardoso Pereira exerce funções como docente no Departamento de Línguas e Culturas da Universidade de Aveiro, desde 1991. É licenciado em Português/Inglês (UA, 1990), Mestre em Literatura Comparada (FCSH-UNL, 1996) e Doutor em Literatura (UA, 2005). Tem lecionado várias disciplinas de licenciatura e de mestrado nas áreas de Literatura Portuguesa e de Literaturas de Língua Portuguesa e desenvolvido investigação em Literatura Portuguesa (medieval e contemporânea). Integrou a equipe de investigação dos projetos «Teografias: Literatura e Religião» e «A Fábula na Literatura Portuguesa: Catálogo e História Crítica». É investigador colaborador no Instituto de Estudos de Literatura e Tradição da FCSH-UNL.
 
 
 
 

Alguns Trabalhos

Um lepidóptero (construtor de nuvens): Afonso Lopes Vieira e o tempo de ‘Orpheu’. Colóquio/Letras, 190, 68-80, 2015.

Theatrum mundi: o império-minuto em dois romances portugueses contemporâneos. Olho d’água, 7 (1), 89-112, 2015.

Santas e histéricas: a neurose mística na neo-hagiografia naturalista. Teografias, 3, 131-166, 2013.

Da fábula e dos seus arredores: a exemplaridade animal na literatura medieval portuguesa. In: MORAIS, A. P. (ed.). História Crítica da Fábula na Literatura Portuguesa. Lisboa: Instituto de Estudos de Literatura e Tradição, 2013. Disponível em:

Candid Camera? Da presença e usos do fotográfico em alguma poesia portuguesa contemporânea. Revista Abril, 9, 131-149, 2012.

A Beleza imortal das catedrais. Afonso Lopes Vieira e a imaginação medievalista. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2009. 2v.

Ferir pela palavra: catarse e contrafactum nas Dedicácias de Jorge de Sena». In: FAGUNDES, F. C.; LOURENÇO, J. F. (eds.). Jorge de Sena. Novas Perspectivas, 30 anos depois. Lisboa: Universidade Católica Editora, 2009. p. 157-185.

Voltar a ler 2. Augusto Abelaira. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2008.
 
 

Verbetes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *