O ensino da fé cristã na Península Ibérica
(séculos XIV, XV e XVI)

Buscar por

10 de 48 documento(s) encontrado(s)


Novela moral de Graçián
Francisco José Díaz Marcilla

O autor deste texto, apesar de aparecer como Graçián, é-nos desconhecido e, até o momento, não pôde ser identificado corretamente. É suposto que estivesse próximo ao âmbito universitário de Salamanca, uma vez que o único exemplar existente de sua obra encontra-se na Biblioteca Universitária daquela cidade, o ms. 1866.

Ver
O Espéculo / El Espéculo
Adeline Rucquoi

Quando Afonso X de Castela assume o poder, em 1252, os direitos locais predominam no reino – fueros, fazañas –, com exceção de Leão, Toledo, Córdoba, Sevilha e Múrcia que são regidos pelo Direito herdado dos Visigodos – Liber iudicum, Fuero juzgo –, completado pelos conselhos

Ver
Oracional de Alonso de Cartagena
Manuel Ortuño Arregui

É um tratado sobre a oração e a vida espiritual orientado para a nobreza, composto a pedido de Fernán Pérez de Guzmán em 1456

Ver
Poema de Santa Oria
Isabel Ilzarbe

Santa Áurea corresponde a um modelo completamente diferente daquele dos santos cujos relatos hagiográficos foram gerados no âmbito monástico beneditino, apesar do claro componente ascético da vida da protagonista na narração da primeira fonte preservada que se refere à ela: o Poema de Santa Oria de Gonzalo de Berceo

Ver
Rimado de palacio
Hugo O. Bizzarri

O Rimado de palacio é a obra mais conhecida de Pero López de Ayala (1332-1407)

Ver
Sendebar ou livro dos enganos das mulheres
Veronica Orazi

Em 1253, foi composta a versão castelhana do Sendebar, cuja tradução do árabe foi encomendada pelo Infante Fadrique, irmão de Afonso X “O Sábio”

Ver
Sermões de São Martinho de Leão / Sermones de Santo Martino de León
Pablo Martín Prieto

São Martinho de Leão (ca.1130-1203), professor na igreja colegiata de São Isidoro de Leão sob a regra dos canônes de Santo Agostinho, começa sua obra por volta de 1185 e pode ser considerado como uma figura que faz ponte entre a tradição cultural hispânica alto medieval, de influência isidoriana, e o novo clima teológico-intelectual chegado de além Pireneus, das mãos de autores como Graciano e Pedro Lombardo.

Ver
Sinodal de Aguilafuente
Leandro Alves Teodoro

No começo do mês de junho de 1472 quando gozava de prestígio junto à corte do rei D. Henrique IV e assumia um importante papel na Coroa como reformador dos costumes eclesiásticos D. Juan Arias Dávila celebrou seu primeiro sínodo na diocese de Segóvia.

Ver
Sobre la seta mahometana o Impugnación de la secta de Mahoma
Fernando González Muñoz

Sob a epígrafe O bispo de Jaén sobre a seita mahometana o manuscrito do Escorial h-II-25 (s. xvi) transmite um extenso tratado escrito em língua castelhana de controvérsia contra o Islã e apologia da religião cristã.

Ver
Tractado de la divinança
Simone Ferreira Gomes de Almeida

O rei D. João II de Castela ordenou que o frei Lope de Barrientos, preceptor de seu filho D. Henrique IV , compusesse um tratado sobre o que devia ser conceituado como magia.

Ver